Quando eu dizia, há dois anos atrás, que vinha morar em Bari, muitos perguntavam
espantados: "- Em Bali?! Por que tão longe?", ou então: "Bari...
Bariloche?". Não bastava dizer somente Bari, tinha que dar as coordenadas
geográficas: sul da Itália, no salto da bota, às margens do mar Adriático, com
vista pra Grécia e pra Albânia, só assim ia situando um pouco as pessoas. Hoje
estou aqui, em Bari, capital da Puglia, e finalmente decidi contar parte dessa
aventura. Este blog vai ser uma espécie de colcha de retalhos, se eu tiver tempo
pretendo falar de tudo que gosto e me interesso, mas quero principalmente falar
desta terra fantástica. Bem-vindos!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

11 - FEDERICO II FOI O CARA! OU MAIS UM POUCO DE HISTÓRIA

Assim como a figura de San Nicola está profundamente ligada a Bari, a de Federico II está unida a toda a Puglia.
Ele foi realmente o cara!  Conhecido pelo apelido de stupor mundi, a maravilha do mundo, fez do seu reino um lugar de encontro entre as culturas grega, latina, árabe e hebraica. Foi um rei intelectual que falava nove idiomas, estudava filosofia, astrologia, matemática, medicina e ciências naturais. Criou em Nápoles, em 1225, a primeira Universidade pública e laica do Ocidente. Todo o sul da Itália tem herança dos tempos de Federico II,  que reinou na Idade Média, foi coroado rei no ano 1198, com apenas 4 anos de idade, e reinou até sua morte em 1250. Se chamava Federico Ruggero Hohenstaufen, descendia pelo lado paterno da nobre família sveva dos Hohenstaufen, e pelo lado materno descendia da dinastia normanna dos Altavilla que reinavam na Sicília.

O nascimento de Federico II é uma história que me impressionou desde a primeira vez que a li.
Conta-se que a mãe de Federico, a imperatriz Constanza D’Altavilla, filha do rei da Sicília, Ruggero II, passava pela cidade de Jesi, na região do Marche, dirigindo-se a Palermo pra encontrar o marido, Enrico VI, que havia sido coroado rei no dia anterior, dia de Natal. A gravidez de Constanza era motivo de desconfiança por parte da população, já que a imperatriz tinha uma idade avançada, assim, foi montado uma espécie de coreto no centro da praça de Jesi e a imperatriz foi obrigada a dar à luz publicamente,  única forma de mostrar ao povo que aquele que nascia era realmente o herdeiro do trono. Como se diz em italiano, povera donna!, traumatizada pro resto dos seus dias.

Federico ficou órfão aos quatro anos, e já coroado rei da Sicília, ficou sob a tutela do papa Inocêncio III. Em 1212 foi coroado rei da Alemanha e Imperador do Sacro Romano Império,  e em 1225, rei de Jerusalém. Pelos seus títulos é possível entender a extensão dos seus domínios.  Mas foi a Puglia que Federico escolheu para viver a maior parte da sua vida. Amado e odiado, aqui deixou além de castelos,  tantas histórias e tantas lendas. 
Amanhã conto mais sobre ele, e mostro a sua mais bela obra arquitetônica na Puglia.

Retrato de Federico II com um falcão, que ilustrava o livro escrito por ele sobre a arte da falconeria, era um apaixonado pela caça com falcão.
O reino da Sicilia na época de Federico II. Envolvia as atuais regiões Sicilia, Calabria, Campania, Basilicata, Molise, Abruzzo e Puglia. O mapa mostra todos os domínios de Federico II na Europa.
Este é o Castelo Normanno-Svevo de Bari. Se chama assim porque primeiramente foi construído pelo rei normanno Ruggero II, depois de sofrer uma destruição, foi reconstruído por Federico II, rei svevo. (foto: web - sem autor)
O Castelo Svevo de Bari é museu e abriga exposições temporárias. Está melhor conservado externa do que internamente. O preço da entrada é de 2 euros. A entrada é gratuita para professores e pessoas com mais de 65 anos. Aqui uma foto do castelo durante a exposição sobre o translado do corpo de San Nicola a Bari.
Castelo Svevo da cidade de Trani, na província pugliese de Barletta-Andria-Trani.

Castelo Svevo da cidade de Barletta, na província de Barletta-Andria-Trani. (foto:web - sem autor)

Neste mapa, que mostra todas as regiões da Itália, é possível ver a região do Marche, perto da Umbria, onde nasceu Federico II.

Entardecer no Castelo Svevo de Trani

Nenhum comentário:

Postar um comentário